14 de janeiro de 2020 - 09:14

STJ estende liminar e liberta outros nove vereadores presos na Operação Má Impressão

Todos os parlamentares foram suspensos dos mandatos e estão proibidos de frequentar o prédio da Câmara Municipal.
Por Flávio Max • Atualizado há 8 meses

Divulgação

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) estendeu ontem (13) a liminar que deu liberdade a três vereadores de Uberlândia. Agora os demais parlamentares que foram presos suspeitos e desviar a verba indenizatória também ganharam liberdade.

A decisão assinada pelo ministro João Otávio de Noronha, presidente do STJ, determinou a soltura de Rodi Borges, Doca Mastroiano, Ronaldo Alves, Pâmela Volp, Ceará, Wender Marques, Vico Queiroz, Silésio Miranda e Hélio Ferraz de Oliveira, o Baiano.

No caso de baiano ele ainda vai continuar preso pois existe outro mandado de prisão em aberto, relacionado a Operação Guardião que apurou o recebimento de propinas por uma empresa que prestava serviços à Câmara.

A decisão de ontem, colocou em liberdade os vereadores denunciados pela operação Má Impressão do Gaeco. Todos foram suspensos dos mandatos, estão proibidos de sair de casa à noite, não poderão entrar nem frequentar o prédio da Câmara Municipal e nem conversar com funcionários do legislativo ou pessoas investigadas pelo ministério público.

Além de Baiano, Juliano modesto e Alexandre Nogueira ainda continuam presos por estarem envolvidos em mais de uma investigação.

No fim da tarde de ontem, o vereador Felipe Felps apresentou sua carta de renúncia à Câmara Municipal. O documento foi protocolado após acordo firmado com o Ministério Público que também prevê que ele devolva o dinheiro desviado da verba indenizatória e fique proibido de assumir cargos públicos pelos próximos oito anos.

Além dele, Flávia Carvalho também já havia apresentado o documento ao legislativo. Agora falta a formalização de Ricardo Santos e Roger Dantas que também fizeram o acordo.

Ao vivo