07 de Abril de 2018 - 19:02

Lula se entrega à Polícia Federal

O ex-presidente deve passar por exames e ser transferido para Curitiba (PR)
Por Victor Fernandes e Flávio Max • Atualizado há 7 meses

Leonardo Benassatto/Reuters

Sábado, sete de abril de 2018. Pela primeira vez, um presidente brasileiro é preso por ordem da Justiça.

Após passar duas noites na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São bernardo do Campo (SP), o petista deixou o prédio pela primeira vez e se dirigiu ao palanque onde foi celebrada uma missa em homenagem à Dona Marisa Letícia, que faria 68 anos neste sábado.

Após a missa, em discurso, Lula disse que parte das conquistas da democracia brasileira se deve ao Sindicato dos Metalúrgicos, a partir de 1978. O ex-presidente disse também que gostaria de fazer um debate com o Juiz Sérgio Moro sobre a denúncia, e que ele mostrasse alguma prova contra ele, pois um ladrão não estaria exigindo prova, estaria “de rabo preso, com a boca fechada”. Ele declarou que quanto mais o atacam, mais cresce a relação dele com o povo brasileiro. Lula afirmou que muitas pessoas sugeriram que ele procurasse asilo no Uruguai ou em embaixadas de outros países. Ele diz que não tem mais idade para isso e que vai enfrentar todos “olho no olho”.

O ex-presidente ensaiou deixar o sindicato próximo das 17 horas de hoje. Mas os manifestantes que cercavam o local não deixaram o carro sair. Ele se entregou próximo das 19h deste sábado, à pé e foi levado à um comboio da Polícia Federal.

Entenda o caso:

Luiz Inácio Lula da Silva, eleito pela primeira vez em 2002, com 61% dos votos válidos. Reeleito em 2006 com 60% dos votos. Deixou o cargo com aprovação recorde de 87%. É líder nas pesquisas para as eleições deste ano, com mais que o dobro das intenções de voto do segundo colocado.

O torneiro mecânico do ABC paulista que chegou à presidência, foi acusado pelo Ministério Público Federal de receber vantagens indevidas da empreiteira OAS, por meio da reserva e reforma de um apartamento tripléx no Guarujá, litoral de São Paulo. O dinheiro teria saído de um ‘caixa geral de propinas’ feito com recursos desviado de contratos da empreiteira com a Petrobras. O total do valor recebido em propina chega a R$ 3 milhões e 700 mil reais.

Lula foi condenado pelo Juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba  à 9 anos e 6 meses de prisão. Recorreu ao Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), e foi novamente condenado, com a pena ampliada para 12 anos e um mês. Além deste processo, Lula responde à outros seis na justiça, que ainda estão pendentes de julgamento. O ex-presidente sempre negou todas as acusações.

Foi ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), por um habeas corpus preventivo. Ingressou com embargos de declaração na segunda instância. Recorreu duas vezes ao Supremo por um habeas corpus. Todos negados. Lula está preso e deve ser transferido para uma sala especial na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, onde vai cumprir a pena.

Ao vivo